publicidade
Tô com medo notas 6,21 contra o México e 8,83 contra a Bélgica

Tô com medo notas 6,21 contra o México e 8,83 contra a Bélgica

Já notaram?

Desde as musicais até as de papel-moeda, de notinhas no jornal, de suados números de avaliação nos bancos escolares de qualquer nível ou nos campos de futebol.

E como jornalista esportivo gosta de dar nota, hein?

Em Copa do Mundo, então...

Eu, que venho alternando há exatos 50 anos notas de performance na mídia de 1.07 até 7.13, vou aqui arriscar meus percentuais para tentar passar de fase em prova de “segunda época”, mas de um aluno que pelo menos nunca foi “repetente”.

Alisson. Nota 3,22, porque não defendeu nada. A única que foi no gol, entrou, de cabeça.

Danilo. Arroz com feijão, leva 3,01.

Fagner. Feijão com arroz, com bom tempero, nota 5,09.

Thiago Silva. Retirando por ora meu “esse tem mais fama que bola”, é o segundo melhor do time: 6,48.

Miranda. Discreto, sério, correto e sem brilho técnico, leva 5,81.

Marcelo. Craquíssimo cansado e de cabelo feio, é 6,47.

Filipe Luís. Não erra passe e toca a bola como jogador de sinuca. Merece 5,5 nos pés e 0,01 no cabelo.

Casemiro. Momentos de Clodoaldo e de brucutu, é 5,99.

Fernandinho. Frango assado de padaria, resolve o problema da fome, mesmo sem o glamour de restaurante com seus 4,82.

Paulinho. Um gol de balé graças ao Philippe “Baryshnikov” Coutinho e só. Assim, garante uma modesta nota 2,97. Mostra-se comum demais em campo.

Willian. Ataliba ou Terto piorados na Copa, está 1,09.

Gabriel Jesus. “O artilheiro dos gols fáceis” é um dos piores do time e de todo o Mundial, com sua pífia nota 0,71.

Neymar. Mesmo jogando à meia bomba fisicamente, ainda consegue um 5,51 com sua genialidade compensando o maldito dedinho quebrado nas porcarias dos campeonatos franceses. E se ele se comportar de novo padrão “gente grande”, como contra a Sérvia, poderá se aproximar de Philippe Coutinho, o craque líder, calado e discreto como era Tostão.

Douglas Costa. Um pecado a sua contusão e leva 6,02, goleando Gabriel, Renato Augusto, Willian, Paulinho e a “Micagem Titística” Taison.

Renato Augusto. Convocação “corintianística”, está na Rússia “compondo elenco” com seus 3,04.

Philippe Coutinho. Baixinho, surdo, mudo, acanhado, sem mídia, polêmicas ou brigas e cabelos normais, tatuagens aparentemente inexistentes, grita pelos gramados com dois alto-falantes nos pés: suas chuteiras! Nota 8,18 e repito: parece ser filho de Tostão pela bola e pelo comportamento.

Firmino. Merece 5,07, mesmo sendo um reserva injustiçado que pouco jogou. E resolveu.

Tite. Anda muito pastor-mala, frases decoradas e chatas tipo “gênios de autoajuda”, piorou a seleção quando chegou a hora da Copa. De 8,97 caiu para 5.09.

Seleção brasileira. Ainda não estreou para valer, anda lenta, mole, previsível e não temida ou assustadora: nota 4,92.

Seleção mexicana. Brilhante contra a Alemanha, quando era zebra, e pífia diante da Suécia quando se pensou protagonista. Com sua nota 6,01 será humilde, armada, camuflada e perigosa como uma cascavel atrás da pedra contra o Brasil.

Bélgica. Se morta a dificílima cascavel, pintarão as jiboias, urutus e corais disfarçadas de vermelho e forjadas nos criadores da região dos Países Baixos. Nota 7,99 para o time do “Ademar Pantera Belga”, o Lukaku.

Sei não...

Tô com medo notas 6,21 contra o México e 8,83 contra a Bélgica.

Compartilhe:
Imagem Nuvem de Notificações

SOBRE O COLUNISTA

Milton Neves Filho, nasceu em Muzambinho-MG, no dia 6 de agosto de 1951.

É publicitário e jornalista profissional diplomado. Iniciou a carreira em 1968, aos 17 anos, como locutor na Rádio Continental em sua cidade natal.

Trabalhou na Rádio Colombo, em Curitiba-PR, em 1971 e na Rádio Jovem Pan AM de São Paulo, de 1972 a 2005. Atualmente, Milton Neves apresenta os programas "Terceiro Tempo?, "Domingo Esportivo? e "Concentraçã... Saiba Mais

Arquivos