publicidade

Paulo Roberto Martins, o Morsa

Comentarista esportivo
E não é que o grande comentarista esportivo de rádio Paulo Roberto Martins, ex-"Camelo", virou o "Morsa" mais conhecido da TV do Brasil".

Contratado pele TV Bandeirantes em outubro de 2014, para integrar a bancada do "Jogo Aberto", Paulo Roberto firmou-se na TV como o mais polêmico comentarista esportivo do Brasil e passou a ser chamado de "o novo Geraldo Bretas".
 
Em 25 de agosto de 2010 foi anunciado como novo comentarista da Rádio Transamérica-SP, junto a Juarez Soares para a equipe liderada por Eder Luiz no na Jornada Esportiva e no programa "Papo de Craque", primeira e segunda edição.

Nascido na orla marítima de Santos (SP), no dia 18 de janeiro de 1945, e hoje morador em Atibaia (SP), Morsa tem três filhos (todos hoje chamados de "Morsinhas"), comentou futebol em praticamente todas as rádios de Santos e sucedeu Carlos Aymard como comentarista titular da Rádio Globo AM por quase 20 anos. Em 2005, deixou a Globo e assumiu a chefia do departamento de esportes da Rádio Record AM.
 
Quando criança em Santos, estudou no primário na mesma classe que Turcão e Joel Camargo, ex-zagueiros do Santos, e de Maravilha, ex-jogador da Portuguesa Santista, já falecido.
 
Em 1º de dezembro de 2015 venceu o Troféu Ford ACEESP como melhor comentarista esportivo de TV aberta, em cerimônia realizada no Esporte Clube Sírio, em São Paulo.
 
ABAIXO, VÍDEO COM PARTICIPAÇÃO DE MORSA. FOI DURANTE UM "DEBATE BOLA" DA RECORD, EM QUE FIORI GIGLIOTI PRESTOU HOMENAGEM A MILTON NEVES

 
Abaixo, a entrevista que Paulo Roberto Martins concedeu ao UOL, em julho de 2013

Paulo Morsa elogia Casagrande e Edmundo: "únicos que acrescentam alguma coisa"
Com 68 anos, Paulo Roberto Martins, o "Morsa", é um dos veteranos jornalistas da imprensa paulista. Atualmente na Rádio Transamérica, ele tem "flertado" com a Band para o retorno à televisão - seu último emprego fixo na telona foi justamente na emissora, em 2009.

O jornalista, que ganhou o apelido do seu colega Milton Neves pela comparação ao animal aquático do mesmo nome, conversou com o UOL Esporte por telefone e falou sobre os comentaristas do mercado, o humor no jornalismo e relembrou a sua passagem pelo programa Debate Bola, da TV Record, que marcou época no horário do almoço de 2001 a 2007.
 
CLIQUE AQUI E VEJA UMA HILÁRIA BRIGA ENTRE MORSA E CACÁ ROSSET EM UM DEBATE BOLA DE 2002, NA RECORD.

Confira o bate papo na íntegra:


UOL Esporte Vê TV: Como foi ter voltado para a TV na Band? Por que não é participação diária?
Paulo Morsa: Fui recentemente no programa especial do aniversário da Renata [Fan, apresentadora do Jogo Aberto], mas sem nenhum contrato. Como conheço a Renata da época da Record, o diretor me chamou para fazer o programa. Mas não tenho nenhum tipo de vinculo, não tenho nada.
UOL Esporte Vê TV: Mas você tem participado de algumas edições do Jogo Aberto. Como tem funcionado?
Paulo Morsa: A base de convite. Sou convidado. Eles têm interesse na minha presença e vou lá participar com eles na base da amizade. Convite, algumas coisas rolam de bastidores. Mas, de contratação, nada oficial.
UOL Esporte Vê TV: Pretende voltar para a TV de forma definitiva se chamado?
Paulo Morsa: Para ser sincero, não estou muito preocupado. Estou mais para aposentar do que para trabalhar lá. Trabalhando com quem trabalho há mais de 10 anos na Record, como o Osmar, Renata, Marinho, quem sabe não volto? Dependendo das condições financeiras?
UOL Esporte Vê TV: Quais recordações você tem do programa Debate Bola? Ficou marcado na televisão brasileira?
Paulo Morsa: Duas coisas muito marcantes para mim: a Rádio Globo e a Record. As pessoas falam comigo na rua até hoje, me conhecem muito. Foi uma marca muito forte na minha carreira até hoje, embora não esteja mais trabalhando na televisão há quatro anos.
UOL Esporte Vê TV: Lá o Milton Neves te deu o apelido de Morsa. Você leva numa boa? Já se irritou algum dia?
Paulo Morsa: Nunca me irritei, levo numa boa. Se pega corda é pior. A gente fazia muita brincadeira. Até pelo meu nome que é mais complicado, Paulo Roberto Martins, no ar ficou mais fácil assimilarem isso. Até hoje ficou o Morsa.
UOL Esporte Vê TV: Você acha que faz falta na televisão brincadeiras como o caixão e os velórios?
Paulo Morsa: Não sei se faz falta, marcou uma época. O pessoal gostava demais, mas vai passando e as pessoas vão se cansando. Acho que hoje não fazia o mesmo efeito. Muito difícil dizer se teria apelo, o tempo passou.
UOL Esporte Vê TV: No Debate Bola, você participou de um programa histórico em que o diretor administrativo do Palmeiras na época, José Cyrillo Júnior, afirmou que o volante Richarlyson é homossexual. Como foi esse dia?
Paulo Morsa: Conversamos no intervalo sobre o Richarlyson, aquela coisa toda. Acabou o intervalo com o Cyrillo empolgado com a conversa e ele esqueceu que não podia conversar no ar. Foi hilário. Depois ele foi processado. Foi muito inusitado. Jamais você poderia esperar que ele fosse falar isso. Todos ficamos sem saber o que fazer. Puxei pelo braço, e ele falou: já falei, agora foi.
UOL Esporte Vê TV: Você é a favor da mistura entre entretenimento e jornalismo nas mesas redondas?
Paulo Morsa: Particularmente acho que o futebol é entretenimento, alegria, diversão, de bermuda, chinelo, camiseta. O futebol é alegre, festa, a mesa redonda tem que seguir isso. Chega domingo a noite, ver todo mundo de terno, cara fechada, não vinga não. Caminho da descontração, mas sem muito exagero, pelo menos eu acho isso.
UOL Esporte Vê TV: Você é a favor da mesa redonda formada por jornalistas e boleiros?
Paulo Morsa: O ex-jogador faz parte desse processo, não vejo nada que atrapalhe. Acho que todo mundo tem condição. Acho que cabe todo mundo para ganhar o seu dinheiro.
UOL Esporte Vê TV: o que acha da nova geração de comentaristas esportivos? Tem muito o que aprender com os experientes?
Paulo Morsa: Acho que tem uma safra boa trabalhando na ativa. Só não gosto muito desse tipo de comentarista de prancheta, de estatística. Acho que o futebol é diferente. O cara que está em casa não quer ficar sabendo que o time está no 4-5-1 ou 3-6-1. O cara quer saber se o time está mal ou se não está mal, o que precisa fazer para ganhar.
UOL Esporte Vê TV: o que acha dos boleiros como comentaristas (Ronaldo Fenômeno, Caio, Casagrande)?
Paulo Morsa: Para te ser sincero, para comentar futebol, gosto mais do Casagrande e do Edmundo. Não é que eu não goste (Caio, Ronaldo), mas são comentaristas comuns. Acho que o Casagrande e o Edmundo são os únicos que acrescentam alguma coisa.
UOL Esporte Vê TV: Você sempre foi conhecido por não fugir de polêmica. Já sofreu muito por causa disso?
Paulo Morsa: No jogo entre Corinthians e Bragantino, em Bragança, tive problema com a torcida local abaixo da cabine onde eu ficava. Não posso precisar qual ano, mas foi quando o Bragantino e o Fluminense foram beneficiados da virada de tapete. Fiz comentário criticando a virada de mesa, manobra de tapetão, e ataquei o Bragantino por tabela. No final do jogo, a turma ficou brava me xingando. Cometi o desatino de jogar a garrafa de volta em cima deles e aí que pegou a coisa. A Polícia veio, tive que sair de carro pelo outro lado do estádio.
UOL Esporte Vê TV: Acha que o jornalista deve revelar para que clube torce?
Paulo Morsa: Necessariamente não precisa isso. É um rótulo que te atinge, não tem dúvida. Rótulo que te pega na primeira esquina. É só enaltecer mais ou falar mal de um time que já te rotulam como torcedor. Acho que não precisa dizer para que time torce. Naturalmente vão assimilando, conhecendo. Não precisa chegar no microfone e dizer: torço para tal time, desnecessariamente.
UOL Esporte Vê TV: Você já foi considerado bairrista por criticar os clubes cariocas. Se acha bairrista?
Paulo Morsa: Não me acho bairrista, sou um cara consciente. Na minha opinião, o futebol paulista é o melhor do Brasil. O mineiro não gosta, o gaúcho não gosta, o carioca não gosta. Sempre defendi que é o melhor. É uma opinião minha. Tem três ou quatro times aqui que não encontra iguais no Brasil. Não é questão de bairrismo, mas de opinião futebol. Aí no auge da conversa, da briga, a gente acaba se exasperando, falando coisas mais fortes, e as pessoas criam rótulos.
UOL Esporte Vê TV: Você falou que pensa em se aposentar. Quais são seus planos para o restante da carreira?
A gente tem ideias, mas acaba mudando. Tenho mais dois anos de contrato com o Éder até o final de 2014. A TV tem essas coisas, a Band vai, não vai, quer, não quer. De repente posso não ter a obrigação de ir todo dia e feche lá. Mas tenho ideia de até o final da Copa do ano que vem parar.
Renan Prates
Do UOL, em São Paulo

ABAIXO, MORSA RI MUITO APÓS UMA FRASE QUE MILTON NEVES FALA, DURANTE O "DEBATE BOLA" DA RECORD, EM 2007

    ver mais notícias

    Selecione a letra para o filtro

    publicidade
    • Tabela

    • BRASILEIRÃO 2018

    • Classificação
      Pontos
    • 1 Pal
      80
    • 2 Fla
      72
    • 3 Int
      69
    • 4 Grê
      66
    • 5 São
      63
    • Veja tabela completa
    publicidade

    ÚLTIMOS CRAQUES