publicidade

Edílson Capetinha

Atacante do Palmeiras, Corinthians e Seleção Brasileira
por Felipe Alva

Edílson da Silva Ferreira, o "Capetinha", nasceu no dia 17 de setembro de 1970, em Salvador. O atacante fez sucesso em muitos clubes do futebol brasileiro. A lista é longa. Ele começou a carreira no Industrial, do Espírito Santo. Depois passou pelo Tanabi-SP, pelo Guarani até chegar ao Palmeiras, em 1993.

No dia 28 de dezembro de 2015, Edílson foi anunciado como reforço do Taboão da Serra para a disputa da quarta divisão do Campeonato Paulista. Fez apenas um jogo pela equipe, aos 45 anos de idade.
 
Em 15 de agosto de 2017 foi preso em Salvador-BA, por falta de pagamento de pensão alimentícia a um de seus filhos, mas foi liberado quatro dias depois. Foi a terceira detenção de Edilson pelo mesmo motivo. Ele havia sido preso também em 2014 e 2016.

Depois do Verdão, passou uma temporada no Benfica e retornou ao Palmeiras, em 1995. Saiu novamente do Alviverde e foi jogar no Kashiwa Reysol, do Japão. Em 1998, voltou para o Corinthians, onde ficou até o meio do ano 2000. Depois passou por Flamengo, Cruzeiro, Kashiwa Reysol, Vitória, Al Ain (Emirados Árabes), São Caetano, Vasco da Gama, Nagoya Grampus (Japão), Vitória novamente, até encerrar a carreira no Bahia em 2010.

O "Capetinha" começa a aprontar

Edílson começou a carreira no Industrial, do Espírito Santo. Depois foi jogar no Tanabi, um time do interior de São Paulo até chegar no Guarani. Depois de ganhar destaque no Bugre, o atacante chegou ao Palmeiras para fazer parte de um grande time formado pela Parmalat. No Verdão, sob o comando de Vanderlei Luxemburgo, o atacante foi bicampeão paulista (1993 e 1994), campeão brasileiro (1993) e campeão do Torneio Rio-São Paulo (1993).

Depois do grande futebol apresentado no Alviverde, Edílson ficou um ano no Benfica mas voltou ao Palmeiras em 1995. Um ano depois, acertou sua transferência para o Kashwia Reysol, do Japão. Depois de duas temporadas no futebol nipônico, voltou para o Brasil no final de 1997, para vestir a camisa do Corinthians.

Embaixada da discórdia

Na quarta-feira, antes da descisão do Campeonato Paulista de 1999, o Palmeiras conquistou Copa Libertadores da América. Por estar mais preocupado com a decisão do torneio continental, o Verdão perdeu o primeiro jogo por 3 a 0 e título estadual ficou distante.
 
Na partida de volta, no dia 20 de junho, o Corinthians conseguiu o empate e o título Paulista. Porém, no final do jogo Edílson resolveu provocar os palmeirenses fazendo embaixadinhas e colocando a bola no pescoço. Foi o estopim para uma briga épica no campo do Morumbi.

"Muito prazer, eu sou Edílson..."
 
No primeiro Mundial de Clubes organizado pela FIFA, em 2000, o Corinthians enfrentaria o poderoso Real Madrid logo na primeira fase. Alguns meses antes do jogo, Edílson disse que Christian Karembeu, zagueiro adversário, era muito ruim para jogar no time Merengue e prometeu que daria uma caneta no defensor. Em resposta, o presidente do Real à época, Lorenzo Sanz, disse que não sabia quem era Edílson e que o brasileiro precisaria nascer de novo para ser reconhecido.

No jogo, o Real Madrid fez o primeiro. Roberto Carlos - que em 2010 jogaria pelo Timão - cobrou falta e Anelka desvia para abrir o placar. No segundo tempo, Edílson cumpriu a promessa. O atacante arrancou pela esquerda deu uma caneta em Karembeu e chutou no canto jovem goleiro Casillas. Um golaço!

Durante a transmissão da TV Bandeirantes, o lendário narrador Luciano do Valle tratou de apresentar o atacante brasileiro a Karembeu dizendo "Muito prazer, eu sou Edílson, o Capeta!".

Edílson ainda fez o segundo do Timão, mas Anelka empatou e jogo terminou 2 a 2. Apesar da igualdade, a partida ficou imortalizada na retina dos corintianos e dos brasileiros como o dia em que o Real Madrid foi apresentado ao futebol do "Capetinha".
O Corinthians foi campeão mundial e Edílson eleito o melhor jogador da competição.

Cruzeiro, Flamengo e o Penta

Após a eliminação corintiana da Libertadores de 2000, diante do Palmeiras, deixou a torcida corintiana revoltada com os jogadores. Durante um treinamento, torcedores uniformizados chegaram em um treinamento ameaçando os jogadores. No tumulto, Edílson quase foi agredido e resolveu terminar sua história vencedora no Corinthians. Foram dois títulos brasileiros (1998 e 1999), um título Paulista (1999) e o Mundial de Clubes de 2000.

O capetinha foi aprontar das suas no Flamengo, onde conquistou a Campeonato Carioca e a Copa dos Campeões de 2000. Em 2002 teve uma passagem muito curta pelo Cruzeiro, onde foi convocado por Luis Felipe Scolari para defender a Seleção Brasileira, campanha do pentacampeonato em 2002.

Esteve em campo em 4 partidas, sendo que, foi titular na vitória de 5 a 2 do Brasil sobre a Costa Rica. Nas outras três partidas entrou no segundo tempo.

Muy placer, yo soy Edílson...

Em 2005, Edílson estava no São Caetano que enfrentaria o Corinthians pelo Campeonato Brasileiro. O Time do Parque São Jorge contava com os argentinos Carlos Tevez e Javier Mascehrano. Na concentração do São Caetano, os companheiros de Edílson começaram a tirar sarro dele, dizendo "O argentino vai te pegar hoje, você está ferrado!". Então o atacante apostou que pagaria um jantar aos colegas se conseguisse dar uma caneta em Mascherano.

Mascehrano ficou maluco correndo atrás de Edílson em campo e acabou levando não só uma, mas duas bolas entre as pernas. A vitória do São Caetano por 2 a 0 foi apenas um detalhe perto dos dribles desconcertantes do bom baiano.

Final da carreira

Depois do São Caetano, a carreira de Edílson começou a decair. Ele passou pelo Vasco da Gama e voltou ao Japão para jogar no Nagoya Grampus. Em 2009, anunciou o final da carreira com a camisa do Vitória. Mas, em 2010, aceitou a proposta do Bahia para voltar aos gramados e encerrou a carreira de vez ao final do Campeonato Baiano.
 
Em 2013, o "Capetinha" trabalhava como empresário e fazia algumas participações especiais na TV, como na "Dança dos Famosos", do "Domingão do Faustão"
 
Abaixo, ouça a participação de Edilson no "Domingo Esportivo" do dia 15 de abril de 2018:
 

    ver mais notícias

    Selecione a letra para o filtro

    publicidade -->
    • Tabela

    • BRASILEIRÃO 2018

    • Classificação
      Pontos
    • 1 Pal
      67
    • 2 Int
      62
    • 3 Fla
      60
    • 4 Grê
      58
    • 5 São
      58
    • Veja tabela completa

    ÚLTIMOS CRAQUES