publicidade
Lusa comemora aniversário. Clube está perto do fim?

Lusa comemora aniversário. Clube está perto do fim?

Eu era ainda um garoto. Tinha lá meus seis/sete anos. Família recém-chegada do interior e que buscava o mínimo de estabilidade para se manter na cidade grande.

Morava em uma casa de madeira na Rua Carlos Gonçalves, em Santo André. Era a única de madeira naquela rua. Tinha três cômodos que dividíamos entre cozinha, sala e quarto.

Do lado de fora um banheiro, já em alvenaria, um poço artesiano e um pomar. Sim, um pomar. Algumas ameixeiras, um limoeiro, flores e hortaliças compondo o meu terreiro.

Bem ao lado vivia Dona Aparecida. Tinha enviuvado pouco tempo atrás e, na sua solidão, compartilhava bondade com o garotinho do interior e sua família. Minha mãe e irmãs viviam por ali. Levavam diariamente um pouco de alegria e amizade.

A mim ela abraçou como se fosse uma vovó. E a família dela também. Seu neto, de nome Mauro, adorava futebol. Frequentava o clube Primeiro de Maio, treinava por lá e tinha aptidão para esportes. Quando visitava a avó me ensinava “técnicas” de futebol. Como o goleiro deveria se posicionar para fazer uma defesa, organizar uma barreira, sair com os pés.

Do garoto Mauro aproveitava também as roupas que já lhe grudavam no corpo. E assim também ganhei minhas primeiras camisas de futebol.

Certo dia Dona Aparecida me chamou: “menino, olha aqui o que o Mauro deixou pra você. Vê se serve”. Era uma camisa vermelha com golas verdes e uma cruz do lado esquerdo.

Com olhos brilhando peguei meu presente e corri para casa. “Mãe, mãe... olha a camisa que o Mauro me deu. De qual time é?”, perguntei curioso. “Não sei não moleque. Deve ser do Santa Cruz”, respondeu ela. Certamente para se livrar da insistência que viria a partir do “não sei”.

Pronto, eu tinha uma camisa do Santa Cruz. Presente do Mauro da Dona Aparecida. Estava feliz. Me afeiçoei. Saía para a rua estufando o peito. Queria exibir minha linda camisa vermelha.

Numa terça-feira qualquer decidi mostrar aquele manto na feira livre que ocorria lá, e continua até hoje, semanalmente. Passei por uma banca, sorri. Passei por outra, sinal de positivo.

E segui desfilando com minha camisa predileta. Eu já tinha meu time de coração. Mas aquela camisa... Ah, como ela me encantava.

Passei por mais uma barraca, dei sinal e o português me grita: “olha aí o pequeno lusitano”. “O que você falou?”, retruquei. “És um pequeno lusitano. Estás com a camisa da Portuguesa”. “Não, essa camisa é do Santa Cruz”, rebati revoltado.

O portuga caiu na gargalhada e com paciência me explicou que aquela camisa de vermelho intenso e com uma cruz verde no peito era, na realidade, da Associação Portuguesa de Desportos.

Não comprei nada na barraca do português, mas foi ele que me apresentou a Lusa. De lá pra cá acompanho, sempre com carinho especial, os caminhos da Portuguesa. Virei fã de Enéas, Dener, Zé Roberto, Zé Maria, Dida, César, Capitão, Gallo, Rodrigo Fabri, Taborda e Bolivar.

Mas nunca poderia imaginar que, no aniversário de 98 anos do clube estaria aqui lamentando seu quase fim. Como membro da família Oliveira me sinto diretamente atingido pelo destino que impuseram ao clube.

Não sou torcedor, nem conselheiro ou sequer sócio. Mas quem gosta de futebol, quem conhece só um pouquinho da história do futebol, adora e respeita a Portuguesa.

Agradeço ao português da banca da feira livre lá da Carlos Gonçalves por me explicar o que era a Portuguesa. Obrigado Mauro por me considerar digno de ser presenteado com a sua camisa da Lusa. Meus respeitos Dona Aparecida por me acolher em sua casa como se fosse um dos seus netos.

Dona Aparecida nos deixou alguns anos depois e, infelizmente, não sei por andam o Mauro e sua família. Não sei se ainda frequentam o Primeiro de Maio e se o meu amigo ainda arrisca uma pelada semanalmente.

Muito menos sei o que aconteceu com você Portuguesa. Mas espero te reencontrar um dia. Firme e com saúde.

Compartilhe:
Imagem Nuvem de Notificações

Últimas do seu time

  • Tabela

  • BRASILEIRÃO 2018

  • Classificação
    Pontos
  • 1 Pal
    67
  • 2 Int
    62
  • 3 Fla
    60
  • 4 Grê
    58
  • 5 São
    58
  • Veja tabela completa