publicidade
Quatro anos antes da Copa de 1970, Jairzinho sofreu uma fratura séria no quarto e quinto ossos metatarsos

Quatro anos antes da Copa de 1970, Jairzinho sofreu uma fratura séria no quarto e quinto ossos metatarsos

Bruno Freitas
Do UOL, em São Paulo

Quando determinados personagens abrem a boca para falar sobre Copa, recomenda-se ouvir com atenção. Jairzinho certamente está neste rol de seletos – é o único homem até hoje na história a fazer gols em todos os jogos de um Mundial, quando se consagrou como "Furacão" ao lado de Pelé na vitoriosa seleção de 1970. Hoje, com a edição da Rússia se aproximando, o lendário camisa 7 não titubeia no prognóstico: a seleção precisa de Neymar.

Quatro anos antes da Copa de 1970, Jairzinho sofreu uma fratura séria no quarto e quinto ossos metatarsos. Na época, um jornal do Rio de Janeiro estampou na manchete que o atacante do Botafogo estava acabado para o futebol. Mas aí veio o Mundial do México, e o resto é história. Por essa lembrança, o ídolo da seleção acredita que Neymar tem plenas condições de superar a lesão sofrida neste ano para brilhar na Rússia.

Jairzinho conversou com a reportagem do UOL em meio às gravações para o projeto 10x10, série do Esporte Interativo em parceria com a produtora Ovo Em Pé, em trabalho que aproveita imagens antigas do Canal 100 (o trabalho que homenageia célebres camisas 10 do país vai ao ar a partir de maio).

Na entrevista, o campeão mundial falou que acredita em Neymar como líder da seleção na Copa deste ano, elogiou Tite e disse que a vergonha do 7 a 1 ficou para trás. O ex-companheiro de Pelé e Garrincha ainda disse não acreditar que Messi e Cristiano Ronaldo sejam os melhores da história.

Por fim, Jairzinho comentou sobre o orgulho e o sofrimento de acompanhar o trabalho do filho Jair Ventura, atualmente no comando do Santos.

Vergonha do 7 a 1 ficou para trás

"Depois do que nós passamos há quatro anos, a maior vergonha nacional, vergonha para o futebol brasileiro, tenho certeza de que esse feito nunca mais vai acontecer. Até porque o Brasil se preparou muito bem em todos os segmentos, na comissão técnica de alto nível, com o Tite e seus parceiros. Bem como a sensibilidade e qualidade dos jogadores, que levaram o Brasil a se classificar com antecipação."

O Brasil precisa de Neymar

"O que aconteceu contra a Alemanha? Neymar não jogou, o que aconteceu? Estou torcendo para que ele se recupere totalmente, que nos dê essa tranquilidade de vê-lo, dando confiança a seus companheiros, que o Brasil possa recuperar a hegemonia de melhor futebol do mundo."

"Foi uma história parecida. Eu fraturei o quinto e o quarto metatarsos num jogo com o Vasco, tive uma refratura. Fui o primeiro jogador do Brasil a fazer enxerto ósseo. Um jornal do Rio chegou a escrever que eu estava acabado para o futebol. Mas quatro anos depois eu fui para a Copa e fomos tricampeões do mundo. Fiz gols em todos os jogos."

"A minha (fratura) foi nos dois dedos, no quinto e no quarto. A dele foi só no quinto, e não foi total. Isso já dá uma expectativa de recuperação dele. Estou torcendo para que isso aconteça, porque nós precisamos muitíssimo dele. O Brasil precisa dele. Está vivendo um momento excepcional de qualidade, de postura como homem, de postura como jogador, e crescimento na parte técnica."

Messi e Cristiano não são os melhores da história

"Quem fala isso não fala com credibilidade e conhecimento, está falando da boca para fora. No momento eles são os dois melhores, mas nunca foram os melhores. Quem fala isso é mentiroso. O Cristiano, enquanto tiver força, vai jogar. Porque a técnica dele é limitada. O Messi é técnico, de fato um jogador de muita inteligência. O Neymar está gradualmente chegando nesse nível. O Neymar tem 26 anos, o Messi já tem 30, o Cristiano, 33. A tendência é o Messi descer, o Cristiano descer e o Neymar crescer."

Pelo filho, o "Furacão" virou um torcedor santista

"Sofrendo mais do que ele. Sabe o que o pai sofre, sabe que o pai não quer ver a tristeza, a derrota do filho. Mas tem a confiança no trabalho que ele vem desenvolvendo. Ele trabalhou com oito técnicos diferentes no Botafogo. E como é um cara estudioso, ele só cresceu."

"Eu já aprendi a sofrer com ele quando ele estava no comando do Botafogo. Ele saiu de uma situação crítica e difícil, de um clube que estava praticamente caindo para a segunda divisão. Depois retornando à estabilidade da primeira divisão, chegando à Libertadores, eliminando ex-campeões, etc. Agora quis o destino que esse clube maravilhoso que o Santos ter tido confiança no trabalho dele. Lá ele também está desenvolvendo o mesmo programa que desenvolveu no Botafogo."

O pacto com Jair Ventura: não falam de futebol

"Nós temos um pacto, que eu mesmo sugeri para ele. Eu venci com a minha própria capacidade, minha própria qualidade. Até porque eu não tive pai, perdi meu pai com dois anos de idade. Não tive pai para conversar com ele, e minha mãe não entendia nada de futebol. Então eu conversei com a natureza e cheguei onde estou até hoje por ser um cara determinado e consciente."

"Então cheguei a esse pacto com ele: `o teu pai venceu pela própria qualidade, sem precisar do pai dele, que nunca teve. Eu quero que você faça a mesma coisa. Você só me pergunta se tiver alguma inquietude, mas eu não te pergunto nada. Acerte com as suas decisões e erre com as suas decisões. Da mesma forma que eu não estou interferindo, não deixe ninguém interferir´. E assim está indo, e ele está indo bem."

 

Compartilhe:
Imagem Nuvem de Notificações

Últimas do seu time

  • Tabela

  • BRASILEIRÃO 2018

  • Classificação
    Pontos
  • 1 Pal
    80
  • 2 Fla
    72
  • 3 Int
    69
  • 4 Grê
    66
  • 5 São
    63
  • Veja tabela completa