publicidade

"Milionário" bate o Boca por 3 a 1, de virada na prorrogação, e conquista Libertadores 2018 na Espanha

O River Plate bateu o Boca de virada na prorrogação pelo placar de 3 a1, no estádio do Real Madrid,  e conquistou neste domingo seu quatro título na Libertadores, marca que nenhum clube brasileiro logrou alcançar.
 
Foi uma vitória merecida por parte do alvirrubro argentino que dominou as ações durante a maior parte do confronto, revelando um poder de reação exemplar,  já que fora dominado pelo Boca no primeiro tempo, cedendo a abertura no placar e só chegando ao gol de empate nos minutos finas dessa etapa. 
 
A reação do River veio no início do etapa complementar, quando passou da situação de dominado a dominador,  embora sem conseguir traduzir o predomínio em gols, no sentido de conquistar a vitória e o título no tempo regulamentar da grande decisão. 
 
Mas deixou claro, , em função desse predomínio em campo, estar mais credenciado do que o adversário para chegar à vitória no período suplementar, já que iria para essa etapa derradeira com o controle da partida na mão. 
 
É verdade que o River foi favorecido logo no começo da prorrogação com a expulsão do colombiano Barrios, fato que complicou ainda mais a vida do Boca Juniors, fragilizando-o justamente quando mais precisava arregimentar forças para tentar reverter a situação de predomínio que pertencia ao arquirrival.
 
Contudo, não seria correto atribuir a vitória do River a essa vantagem numérica de 11 contra 10, até porque se tratava de uma prorrogação de apenas 30 minutos que bem poderia ter sido suportada pelo Boca mesmo com um homem a menos, até levar a decisão para os pênaltis, caso tivesse pernas e futebol para adotar um bom esquema defensivo.
 
Isso porém não aconteceu. O esquadrão da Bombonera até que tentou desfazer o placar que lhe ficou adverso a partir do golaço de Quintero, de fora da área, mas o fez atabalhoadamente com o goleiro Andrada abandonando sua meta e se projetando de forma perigosa para a área antagônica. 
 
O máximo que o Boca conseguiu  com essa pressão desordenada foi acertar uma bola na trave, mas pagou caro por essa ousadia, já que momentos depois cedeu espaço para a arrancada de Martinez, que, livre de marcação e com a meta desguarnecida,  só teve o trabalho de empurrar a bola para o fundo da rede, selando a sorte da partida que fez estremecer o "Santiago Bernabéu, com direito a Lionel Messi nas arquibancadas. 
 
No final desse comentário, permito-me levantar questão sobra a lisura dessa conquista por parte do time treinado por Marcelo Gallardo, levando em conta não apenas esse jogo decisivo, que venceu de forma justa e merecida, mas também o contexto geral de sua participação no torneio. 
 
Sem patriotada, eu diria que esse título que dá ao River o tetracampeonato do torneio continental entra para a história com alguns arranhões, que logo serão esquecidos, é verdade, mas que ainda estão bem vivos em nossa memória. 
 
Quando alguém transgride, fica impune e acaba se dando bem em função da ilicitude praticada constitui-se num mau exemplo aos que procuram alcançar suas conquistas sem recorrer ao expediente espúrio consubstanciado na frase "os fins justificam os meios".
 
Foi isso que aconteceu com o "milionário" do Monumental de Nuñes no seu jogo de volta da semifinal da Libertadores, na Arena do Grêmio, quando contou com a participação irregular de seu treinador, na orientação do time, da forma como bem conhecemos, e seguiu em frente na disputa do torneio como se nada tivesse acontecido.
 
O fato se constitui num precedente negativo, haja vista que o regulamento prevê claramente que a participação de atletas  E TREINADORES suspensos,  em jogos da competição,  é punida com uma derrota de 3 a 0 contra o clube transgressor, qualquer que seja o resultado de campo. 
 
Isso não é "chorar o leite derramado", como alguém pode insinuar, mas tão somente deixar à Conmebol, neste final de comentário, uma pergunta que não quer calar:
 
"Por acaso esse tipo de punição só se aplica em clubes de país que fala Português, como aconteceu com os brasileiros Santos e Chapecoense em passado recente ?"   
 
Fale com nosso comentarista Lino Tavares: Portal Terceiro Tempo, Linotíciais ,Portal International, Rede de Mídia On Line (Portal Bsil News, Semanário VirItualino Online,  Rio On Line Jornal, On Line Jornal Porto Alegre, Jornal Eletrônico Entertainment Newspaper). Revista Eletrônica GibaNet.com, Site Cota Jurídica.com,  Jornal Expresso Minuano-RS. Facebook:  Lino Mídia Celebrities e Planeta Arte - Estrelas. E-mail: jornalino@gmail..com
 
Foto: UOL

Compartilhe:

Você também vai gostar

Últimas do seu time

  • Tabela

  • BRASILEIRÃO 2018

  • Classificação
    Pontos
  • 1 Pal
    80
  • 2 Fla
    72
  • 3 Int
    69
  • 4 Grê
    66
  • 5 São
    63
  • Veja tabela completa