publicidade
Canarinho Pistola atende torcedores nos arredores do Metlife Stadium. Foto: Pedro Lopes/Do UOL, em Nova Jersey

Canarinho Pistola atende torcedores nos arredores do Metlife Stadium. Foto: Pedro Lopes/Do UOL, em Nova Jersey

Pedro Lopes

Do UOL, em Washington, DC (EUA)

No passado recente, a seleção brasileira mobilizou multidões ao disputar amistosos nos EUA. Neste início de ciclo, a realidade é diferente. Os públicos de 32.489 na vitória sobre os anfitriões no Metlife Stadium, em Nova Jersey, e 28.511 na goleada sobre El Salvador, no Fedex Field, em Washington, aliados à pouca mobilização de torcedores nas ruas nas duas cidades apontam para uma queda de popularidade do futebol brasileiro em território norte-americano.

Além dos estádios longe de sua capacidade máxima, foram pequenos os grupos de torcedores que procuraram jogadores nos dois hotéis em que a seleção ficou hospedada. Fechados para o público comum, os treinamentos não tiveram plateia.

Uma possível ressaca da Copa do Mundo não explica o fenômeno. Em 2010, o Brasil iniciou a caminhada para 2014 na mesma New Jersey, contra os mesmos EUA: 77 mil pessoas encheram o New Meadowlands, palco do confronto. Em 2014, a partida diante da Colômbia no Sunlife Stadium, em Miami, levou 73 mil pessoas ao estádio.

No último ciclo, o Brasil ainda lotou o Gillette Stadium, em Foxborough, com 69 mil pessoas em goleada sobre os EUA por 4 a 1 em 2015. A exceção foi o confronto contra o Equador em Nova Jersey, também em 2014, que teve público de apenas 36 mil pagantes – ainda assim, superior ao número de pessoas presentes na última sexta no Metlife Stadium.

A seleção dos EUA vive um período de baixa, depois de ficar de fora do Mundial da Rússia, mas isso não tem refletido no interesse por futebol em geral. Os públicos e audiência da Major League Soccer seguem crescendo, ainda que o fiasco possa ter reduzido o ritmo desse crescimento. A média de público atual da competição é de 21,4 mil pagantes por jogo, superior aos 18,2 mil do Brasileirão.

"Não diminuiu o interesse por futebol, na verdade cresceu o público. Talvez não tenha aumentado como poderia ter ocorrido se os EUA tivessem disputado a Copa, mas o número segue aumentando, a nossa audiência praticamente dobrou", diz Diogo Kotscho, vice-presidente de comunicação do Orlando City.

"Alguns jogos internacionais, com times como Barcelona, Real Madrid encheram estádio com 115 mil pessoas aqui nos EUA. A maioria dos outros times, de segunda linha ou mesmo de primeira linha mas não tão famosos não foram um grande sucesso", completa o jornalista, que acredita que a queda de interesse pela seleção pode estar mais relacionada à divulgação ou aos preços dos ingressos.

Durante os dez dias que o UOL Esporte passou nos EUA, publicidade das partidas, tanto nas ruas como na televisão, foram inexistentes. Menções às partidas apenas nas redes sociais das confederações e dos estádios. A reportagem conversou com fãs de futebol, incluindo imigrantes mexicanos, colombianos e um ganês, que sequer tinham conhecimento que a seleção estava no país.

No Metlife Stadium, em Nova Jersey, até o estafe do estádio ficou decepcionado. Dois funcionários contaram a reportagem que, em amistosos internacionais, quando a venda de ingressos não decola, é aberto um canal especial com preços reduzidos para os funcionários, seus amigos e familiares. Em Brasil EUA, por razões desconhecidas, isso não aconteceu, e a partida aconteceu com menos da metade da arena ocupada.

Em Washington, a situação foi ainda pior. Boa parte dos cerca de 28 mil torcedores no Fedex Field era de salvadorenhos, que fizeram bastante barulho. Bem humorados e sem absolutamente nenhuma chance de vitória, gritaram olé em meio à derrota, deram risada de uma cobrança de lateral esdrúxula de um de seus jogadores e reclamaram muito do pênalti que inaugurou a goleada, duvidoso e marcado em cima de Richarlison com dois minutos de partida.

Nas duas cidades, houve pequenos grupos de torcedores – dez a 15 – frustrados, que queriam mais contato com a seleção. À imprensa, pediam alguma forma de acessar os treinos, que não foram abertos ao público comum.

Dentro de campo, tudo correu como esperado, com uma vitória tranquila contra os EUA, e uma goleada sobre El Salvador. Se foi um sucesso dentro de campo, fora dele, com torcedores, pela primeira vez a passagem da seleção brasileira por solo norte-americano terminou em fracasso.

Compartilhe:
Imagem Nuvem de Notificações

Últimas do seu time

  • Tabela

  • BRASILEIRÃO 2018

  • Classificação
    Pontos
  • 1 Pal
    67
  • 2 Int
    62
  • 3 Fla
    60
  • 4 Grê
    58
  • 5 São
    58
  • Veja tabela completa