publicidade

Foi em 10 de março de 2009, uma terça-feira.

Alguns dias antes, meu irmão Rogério Micheletti me telefonou, marcou de ir à minha casa para conversarmos.

Eu estava em uma fase da minha vida em que nada parecia dar certo.
 
E ele, que era braço direito de Milton Neves no site e na tevê há vários anos, me convidou para começar a trabalhar na redação do Portal Terceiro Tempo.

Seria feita uma migração de todo o conteúdo da seção "Que Fim Levou?" para uma nova plataforma.

Não havia nenhuma garantia de que eu permaneceria depois deste trabalho, em tese, temporário.

Era quase uma tarefa braçal, aparentemente coisa de estivador de teclado...

Mas, no fundo, era mais que isso, por duas razões:
 
Primeiro, porque muitas fotos não tinham legendas, e como minha paixão maior sempre foi escrever, centralizei meus esforços para caprichar, algo que de imediato encantou a pessoa mais importante do site: Milton Neves.

Guardo até hoje um caderno universitário com as anotações que fiz de todos os personagens do “Que Fim Levou?” que migrei do site velho para o novo.

Em segundo lugar, pela promessa de que eu poderia criar uma área de automobilismo, o assunto que mais amo. E, sem falsa modéstia, entendo.
 
Também escrevi, logo de cara, duas crônicas que, no jargão popular, "bombaram".

Uma sobre Ronaldo Fenômeno (aqui) e outra sobre o centenário do Internacional de Porto Alegre e o Adilson Miranda (aqui), saudoso amigo da minha família, vizinho de parede no sobradinho em que morávamos na rua das Palmas, na Vila Guilherme.

Em dez anos acontece muita coisa.

Em 2015 trouxe Claudio Carsughi para ser meu entrevistado no programa que eu criei, o Bella Macchina (aqui), nome que emplacou de tal forma, que outro dia ao fazer um credenciamento para um evento automobilístico, o responsável pela tarefa já ia colocando Bella Macchina como meu veículo, ao invés de Portal Terceiro Tempo.

Milton Neves costuma lembrar da emoção que teve quando viu Pelé pela primeira vez, em um jogo do Santos contra o Comercial em Ribeirão Preto, ocasião em que o Rei, por um rápido instante, olhou para aquele menino de Muzambinho, junto ao alambrado.

Não posso precisar se a emoção que tive ao lado de Carsughi foi igual àquela que Milton teve com Pelé.

Sentimentos são difíceis de serem mensurados. Mas, certamente, o que eu senti foi intenso.

Enorme emoção, recebendo Claudio Carsughi no Bella Macchina, em abril de 2015. Reprodução

Hoje faço “tabelinha” com Claudio Carsughi em outro programa que criei, o “Notas do Carsughi” e, apesar de já ter me acostumado, o frio na barriga ainda é inevitável quando fico ao seu lado, lembrando de tantas coisas que li dele na “Quatro Rodas” e ouvi, nos comentários da F1 através do rádio.

Estar ao lado do Carsughi é mais menos como imagino seria para um fã dos Beatles acompanhar Paul McCartney em sua banda para uma turnê.

Tabelinha com Claudio, no "Notas do Carsughi", programa criado em 2015. Reprodução

Felipe Massa? Sim, ainda como piloto da Fórmula 1 ele reservou bons minutos para conversar comigo na salinha que o Milton me empresta para que eu grave o Bella Macchina.

Papo delicioso com Felipe Massa em novembro de 2016. Foto: Kennedy Andrés/Portal TT

Bruno Senna também (aqui), assim como Cacá Bueno, que eu fiz questão que fosse o meu entrevistado para o programa de número 100 (aqui)

Um Senna na redação do Portal Terceiro Tempo. Bruno Senna, entrevistado em dezembro de 2017. Foto: Túlio Nassif

 

Dia especial, a gravação do Bella Macchina #100, com Cacá Bueno, em fevereiro de 2017. Foto: Túlio Nassif

 

A Bia Figueiredo foi a minha "cobaia", no primeiro Bella Macchina que eu gravei, em dezembro de 2010.

Minutos antes da gravação do Bella Macchina nº1, em 3 de dezembro de 2010, com Bia Figueiredo. Foto: Sérgio Quintella

E tantas crianças do kart, muitas delas que hoje já estão batendo na porta da Fórmula 1.

Não por vaidade, mas por poder olhar de cabeça erguida para o meu filho querido Lucas, sinto um enorme prazer quando figuras como o Carsughi o Reginaldo Leme, o Flavio Gomes e o Lito Cavalcanti me chamam pelo nome, sabem quem eu sou.

Em novembro de 2017, com Reginaldo Leme e Claudio Carsughi, no Prêmio L´Auto Preferita, em São Paulo. Foto: Daniela Leme

Mas nada disso teria sido possível sem aquela conversa que tive com meu irmão em uma noite na minha casa e sem a "carta branca" que recebi do Fábio Lucas Neves e do Milton para que eu fizesse do esporte a motor uma página importante do Portal Terceiro Tempo.

Nestes 10 anos foram tantas coisas boas neste meu trabalho...

Me tornei até um razoável fotógrafo, e por isso costumo brincar dizendo que "bato escanteio e subo na área para cabecear".

Nestes tempos, aliás, é essencial fazer de tudo. E fazer bem feito. 

Claro, também chorei de dor por perdas gigantes que sofri desde que estreei no site de Milton Neves: a querida Márcia e meu pai maravilhoso, Seu Waldemar.

Mas, quando olho pra trás, lembrando daquele 10 de março de 2009, tenho a certeza de que este tempo todo de trabalho, honesto e dedicado, me tirou da sarjeta.

A sarjeta da tristeza.

Dentre as fotos que mais gosto de ter feito, esta do Milton com Pelé, em 10 de novembro de 2012, tipo aquela troca de olhares entre os dois lá em Ribeirão Preto, no jogo entre o Comercial e o Santos, em 10 de outubro de 1965. Foto: Marcos Júnior Micheletti/Portal TT

 

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR A HOME DE AUTOMOBILISMO DO PORTAL TERCEIRO TEMPO

 

 BELLA MACCHINA NO YOUTUBE: Clique aqui ou no logo

 

Compartilhe:

SOBRE O COLUNISTA

Editor de automobilismo do Portal Terceiro Tempo, começou no site de Milton Neves em 10 de março de 2009. Também atua como repórter, redator geral, colunista e fotógrafo. Em novembro de 2010 criou o Bella Macchina, programa em vídeo sobre esporte a motor que já contou com as presenças de Felipe Massa, Cacá Bueno, Bruno Senna, Bia Figueiredo, Ingo Hoffmann e Roberto Moreno, entre outros.

Arquivos