publicidade

Ewaldo Dantas

O maior presidente do SJSP

Publicado no Blog do jornalista Ricardo Setti em 23 de julho de 2013

O maior repórter que conheci ao longo de mais de quatro décadas de carreira   Ewaldo Dantas Ferreira natural de Catanduva-SP, faleceu no Hospital Samaritano, em São Paulo,  no dia 22 de junho de 2013, após uma trajetória de trabalho e de vida que não caberia nem sequer em um livro ? precisaria de vários. Divorciado da advogada Alzira Helena Barbosa Teixeira, deixou três filhas de casamento anterior, netos e bisnetos.
Um gigante do jornalismo brasileiro, um mestre de três ou quatro gerações de jornalistas ? em matéria de praticar a profissão com rigor, correção e ética ?, é difícil saber o que ele NÃO fez em sua carreira fecunda e brilhante.
Descobrir escondido na Bolívia, sob nome falso, um dos criminosos nazistas mais procurados do mundo e entrevistá-lo ? o ex-chefe da Gestapo nazista na cidade de Lyon, França, durante a II Guerra Mundial, Klaus Barbie ? viria a ser apenas uma de suas incontáveis reportagens históricas.
A entrevista, publicada em série pelos jornais O Estado de S. Paulo e Jornal da Tarde, foi reproduzida simultaneamente por diários de vários outros países, capitaneados pelo francês France-Soir, causou enorme repercussão internacional e seria em seguida transformada em livro.
 
http://imagens.terceirotempo.bol.uol.com.br/74/21/
A capa da 1ª edição do livro sobre Barbie
Ewaldo cobriu o conflito católicos x protestantes na Irlanda ? tomava café num bar quando viu, em frente, o hotel em que se hospedava explodir ?, reportou a guerra civil em Moçambique, atravessou linhas inimigas sob tiroteio durante o conflito árabe-israelense, relatou rebeliões em cadeias brasileiras, choques entre índios e fazendeiros e queda de avião, desvendou segredos da ditadura militar, esteve presente, muito jovem, nos primeiros noticiários da TV brasileira (na extinta TV Tupi) para, maduro, ser diretor de Jornalismo da Rede Bandeirantes.
Em plena ditadura militar, entrevistou e colocou no ar nomes malditos para o regime como o líder do Partido Comunista, Luiz Carlos Prestes, e o então exilado ex-governador gaúcho Leonel Brizola.
Num período tenebroso para os direitos humanos, dirigiu, a convite do então cardeal-arcebispo de São Paulo, d. Paulo Evaristo Arns, o corajoso jornal da arquidiocese, O São Paulo.
Conheceu e, em muitos casos, travou amizade com personalidades como William Faulkner, Nelson Rockefeller, Jean-Paul Sartre e Henry Kissinger.
Como presidente de sindicato, organizou a primeira greve da história dos jornalistas, em 1961, movimento que resultou na fixação do primeiro salário mínimo profissional no Brasil e no começo da profissionalização da categoria. Foi professor universitário, diretor de agências de publicidade, consultor. Trabalhou nos Diários Associados, na Folha de S. Paulo, no Jornal da Tarde, em O Estado de S. Paulo e dirigiu, com brilho, a extinta revista Visão.
Inteligência brilhante, cultura brutal, curiosidade insaciável, intransigência absoluta em matéria de ética profissional, solidariedade com os colegas, personalidade carismática e fascinante, grande contador de histórias, apreciador da boa mesa e excelente cozinheiro bissexto. Assim era Ewaldo Dantas.
Seu corpo foi velado no  23 de junho, no Cemitério de Congonhas, em São Paulo, onde ocorreu o sepultamento.

Publicado no jornal do Sindicato dos Jornalistas do estado de São Paulo
    ver mais notícias
    comments powered by Disqus

    Selecione a letra para o filtro

    publicidade
    • Tabela

    • BRASILEIRÃO 2017

    • Classificação
      Pontos
    • 1 Cor
      53
    • 2 Grê
      43
    • 3 San
      41
    • 4 Pal
      40
    • 5 Fla
      38
    • Veja tabela completa

    Últimos craques