publicidade

Carlos Reutemann

Ex-piloto argentino de F1
por Marcos Júnior Micheletti
 
O ex-piloto argentino Carlos Alberto Reutemann, ou apenas Carlos Reutemann, nasceu na Província de Santa Fé, em 12 de abril de 1942.
Lole, como também era chamado, estreou na Fórmula 1 em 1972 pela Brabham, equipe pela qual competiu até 1976.
 
Durante esse período, Reutemann venceu quatro corridas. Em 1974, seu primeiro triunfo no GP da África do Sul e outras duas: Áustria e Estados Unidos, o que lhe rendeu o sexto lugar no campeonato.
Em 1975 teve um ano mais regular, e apesar de apenas uma vitória (GP da Alemanha) fechou a temporada na terceira colocação.
 
Em 1977 fez 12 corridas pela Brabham-Alfa Romeo e uma pela Ferrari.
Voltou a vencer apenas dois anos depois, em 1977, já pela Ferrari, no GP do Brasil, disputado no antigo traçado de Interlagos. Fechou o ano como quarto  colocado, exatamente no campeonato vencido por seu companheiro de equipe, o austríaco Niki Lauda.
 
Em 1978 teve um grande ano na Ferrari, mas o domínio das fabulosas Lotus 78/79 dotadas de efeito solo (projeto de Colin Chapman), impediu o sonhado título do argentino, que terminou a temporada em terceiro lugar, uma posição à frente de Lauda, ainda seu companheiro na Ferrari. Mario Andretti acabou com o título e Ronnie Peterson, mesmo depois de morto, ficou com o vice-campeonato.
 
Transferiu-se exatamente para a Lotus em 1979, mas a equipe inglesa não repetiu o desempenho da temporada anterior e Reutemann terminou o ano em sétimo lugar, mesmo assim melhor que Andretti, seu companheiro de equipe, o 12º.
 
Foi contratado pela Williams em 1980, e novamente repetiu um bom campeonato, terminando em terceiro, mas superado por seu companheiro de equipe, o australiano Alan Jones. Nesse ano, Reutemann venceu uma corrida, o GP de Mônaco.
 
Em 1981, ano do primeiro título de Nelson Piquet na Fórmula 1, Reutemann esteve próximo de vencer o campeonato, mas a disputa interna com Jones acabou por impossibilitar sua conquista. O argentino foi vice-campeão, com 49 pontos, um a menos que Piquet. Venceu duas corridas: os GPs do Brasil e da Bélgica.
 
Participou apenas de duas corridas em 1982, também pela Williams. Subiu ao pódio pela última vez no GP da África do Sul com um segundo lugar e depois correu o GP do Brasil, mas não completou a prova.
 
Foi o mais representativo piloto argentino depois do heptacampeão Juan Manuel Fangio, e após deixar as pistas dedicou-se à política, tendo sido governador da Província de Santa Fé e atualmente é senador, também por Santa Fé.
 
Nunca venceu uma prova de F1 disputada em seu país, mas subiu ao pódio do GP da Argentina em três oportunidades: 1975 e 1977 (ambas em terceiro lugar) e em 1979, em segundo lugar.
 
Em compensação, venceu o GP do Brasil por três vezes, duas em Jacarepaguá (1978 e 1981) e uma em Interlagos (1977).
 
Uma das especialidades de Lole, lembrada por um saudoso fã brasileiro, Waldemar Micheletti, eram as largadas:
 
"Nunca vi nenhum piloto largar tão bem quanto ele", dizia Waldemar.
 
SOBRINHO PILOTO
 
Ian Reutemann, sobrinho de Carlos Reutemann, com boas conquistas no kart, testou um monoposto da F4 Sul-americana em 04 de setembro de 2017, no circuito uruguaio de Mercedes. Clique aqui e veja a matéria completa do teste do piloto, então com 14 anos.
    ver mais notícias

    Pela Fórmula 1:

    Disputou 146 GPs e venceu 12 corridas (quatro pela Brabham, cinco pela Ferrari e três pela Williams).

    Foi vice-campeão em 1981 pela Williams e conquistou seis pole-positions.

    Selecione a letra para o filtro

    publicidade
    • Tabela

    • BRASILEIRÃO 2017

    • Classificação
      Pontos
    • 1 Cor
      72
    • 2 Pal
      63
    • 3 San
      63
    • 4 Grê
      62
    • 5 Cru
      57
    • Veja tabela completa

    ÚLTIMOS CRAQUES