publicidade
Com Aécio ou com Dilma - Mentiroso e Leviana - resta-nos apenas torcer muito para não desabar de divisão

Com Aécio ou com Dilma - Mentiroso e Leviana - resta-nos apenas torcer muito para não desabar de divisão

No país do futebol, a bola serve de metáfora para tudo, do sexo à política. O ex-presidente Lula abusava das analogias para explicar os caminhos e os descaminhos da economia, da sociedade e da vida no Planalto. Até FHC e Dilma, que aposto não são familiarizados com a regra do impedimento, viram-se compelidos, noblesse oblige, a fazer pose de Avallone nas vésperas de Copa do Mundo.

Não por acaso, a imprensa esportiva é useira e vezeira em combinar tais assuntos. Na segunda-feira pós-eleição, 11 entre 10 comentaristas esportivos associaram o Cruzeiro, então líder inconteste do Brasileirão, aos felizardos eleitos no primeiro turno.

Pois, sem me esquivar da humildade, bovinamente me curvo à maioria: de mãos dadas com os coleguinhas, chafurdo nos clichês. A despeito de minha proverbial ignorância das coisas em geral, ouso dar meu pitaco, via ripa na chulipa, a respeito do escrete político atual.

Imaginemos, num exercício do absurdo, que os atuais postulantes à cadeira do Planalto exercessem o cargo de técnico de um time de meio de tabela que disputasse, digamos, o Campeonato da Divisão Mundial do Trabalho.

A depender dos últimos dois debates, da Band e do SBT, o placar não deixa dúvidas (a exemplo do 7 a 1 para a Alemanha). Sem eufemismo ou reticências, digo com todas as letras, já me desculpando pelo baixo calão: estaríamos todos nós, conterrâneos e conterrâneas, bem fodidos.

Com Aécio ou com Dilma - Mentiroso e Leviana, segundo os apelidos pespegados de parte a parte (ou vice-versa, na versão socrática do ex-centroavante, e futuro deputado, Jardel) - resta-nos apenas torcer muito para não desabar de divisão.

Verdade que os especialistas enxergam notáveis diferenças entre a prancheta de um e de outro. A Mentirosa ataca com Estado forte; o Leviano se defende com um mercado mais marcador.

Eu, que sou mais bobo, desconfio dos expertos. Encostado no alambreado do campo de várzea onde se disputa essa campanha, minha leitura é outra. Ambos candidatos jogam na retranca. O objetivo é perder de pouco: mandam parar o jogo, rezando para que uma bola parada defina a sorte da partida. No fim, apostam as chances de vitória na loteria dos pênaltis. Em caso de demissão, culpam o gramado, o juiz ladrão ou o projeto, que não encaixou.

E, durante a coletiva pós-jogo, cercados de microfones indiscretos, retomam a ladainha. Leviana e Mentiroso; Mentirosa e Leviano, trocando ofensas e arengas desprovidas de sentido ou conteúdo.

Afinal, política é resultado.

                                                            ****

Já que o assunto é política, quem se habilita a ser o Reinaldo Azevedo do Geraldo Alckmin?

Foto: Reprodução

Facebook: https://www.facebook.com/andre.rosemberg.5

Compartilhe:
Imagem Nuvem de Notificações

Últimas do seu time

  • Tabela

  • BRASILEIRÃO 2017

  • Classificação
    Pontos
  • 1 Cor
    72
  • 2 Pal
    63
  • 3 San
    63
  • 4 Grê
    62
  • 5 Cru
    57
  • Veja tabela completa