publicidade
Sassá, do Botafogo, e Wellington, do Fluminense, estudaram juntos quando pequenos

Sassá, do Botafogo, e Wellington, do Fluminense, estudaram juntos quando pequenos

Bernardo Gentile e Leo Burlá
Do UOL, no Rio de Janeiro

O sonho de se tornar jogador de futebol é algo bastante presente na maioria dos jovens do Brasil. Enquanto vão dando os primeiros toques na bola, precisam conciliar algumas folheadas nos livros, como toda criança. Quis o destino que dois colegas de classes que cursavam a sétima série no Colégio Percepção, em Irajá, Zona Norte do Rio de Janeiro, alcançassem o sonho da profissionalização e se enfrentassem na semifinal da Taça Rio neste domingo, no clássico entre Botafogo e Fluminense, no Estádio Nilton Santos (Engenhão).

Wellington Alves da Silva e Luis Ricardo Alves, mais conhecido como Sassá, tiveram que suar bastante a camisa para vingarem no futebol. Hoje, em situação de destaque em Fluminense e Botafogo, a dupla relembra os tempos em que dividiam as salas de aula.

"Tinha muita brincadeira de criança em sala de aula. Bagunça, colocar apelido nos outros, correr de um lado para o outro na sala. Nós éramos bem próximos. Tínhamos um grupo de amigos então andávamos juntos e fazíamos as brincadeiras, piadas com a rapaziada da época e, claro, jogávamos bola entre a gente", disse o atacante do Fluminense.

A matéria que a dupla mais gostava, claro, era educação física, quando tinham mais tempo para jogarem juntos no time do colégio. Não chegaram a disputar campeonato, apenas partidas contra outras classes.

"A gente era parceiro no colégio lá em Irajá. Time era enjoado, ele criava e eu fazia os gols [risos]. Nunca jogamos campeonatos, mas várias peladinhas mesmo. Ele era da minha sala, mas foi para a Europa muito cedo e seguiu a vida dele e eu a minha", afirmou Sassá. "A gente nunca jogou um campeonato juntos fora do colégio. Só tivemos a oportunidade de jogar no recreio e nas aulas de educação física entre a gente ou time contra", completou Wellington.

Além da educação física? Bom, Wellington admite que as demais matérias não eram lá seu forte. Sassá mostra irreverência e brinca com o companheiro.

"Com certeza o que mais gostava era educação física. E a que menos gostava era matemática [risos]", admitiu o atacante do Fluminense. "Vou te falar que eu era melhor nos estudos que ele. Sou mais inteligente, né? [risos]. Mas o que importa que é um parceiro que fiz no futebol. Em clássicos só marquei contra o Flamengo, quem sabe não sou abençoado neste domingo", completou o botafoguense.

BOTAFOGO X FLUMINENSE

Data e hora: 09/04/2017, domingo, às 16h (horário de Brasília)
Local: Estádio Nilton Santos (Engenhão), no Rio de Janeiro (RJ)
Árbitro: Alexandre Vargas Tavares de Jesus
Auxiliares: Rodrigo Figueiredo Henrique Corrêa e Thiago Henrique Neto Corrêa Farinha

BOTAFOGO
Gatito; Fernandes, Renan Fonseca, Igor Rabelo e Gilson; Dudu Cearense, Lindoso, João Paulo e Camilo; Guilherme e Sassá
Técnico: Jair Ventura

FLUMINENSE
Diego Cavalieri; Luiz Fernando, Nogueira, Reginaldo e Marquinhos Calazans; Douglas, Wendel, Marquinho; Lucas Fernandes, Wellington Silva e Pedro
Técnico: Abel Braga

Foto: UOL

Compartilhe:
Imagem Nuvem de Notificações

Últimas do seu time

  • Tabela

  • BRASILEIRÃO 2017

  • Classificação
    Pontos
  • 1 Cor
    72
  • 2 Pal
    63
  • 3 San
    63
  • 4 Grê
    62
  • 5 Cru
    57
  • Veja tabela completa