publicidade
Neste domingo, o time atleticano empatou em 2 a 2 com a Ponte Preta

Neste domingo, o time atleticano empatou em 2 a 2 com a Ponte Preta

Victor Martins
Do UOL, em Belo Horizonte

Para quem e apontado como um dos candidatos ao título do Campeonato Brasileiro, começar a competição com apenas dois pontos em nove disputados é muito pouco. É a situação do Atlético-MG, que após dois jogos consecutivos no Independência conquistou apenas um ponto. Neste domingo, o time atleticano empatou em 2 a 2 com a Ponte Preta.

Assim como havia acontecido na derrota para o Fluminense, quando tomou dois gols em três minutos, contra a Ponte não foi diferente. Sendo que neste domingo o Atlético até saiu na frente, com Robinho, mas em dois minutos Lucca virou o marcador para a equipe de Campinas. No fim, já completamente desorganizado, o Atlético empatou com Rafael Moura.
Atlético paciente e sete toques para o gol de Robinho

Claramente a Ponte Preta foi ao Independência para não ser derrotada. A equipe de Campinas defendia com uma linha de cinco jogadores na entrada da área, tirando os espaços e dificultando a troca de passes do Atlético no campo ofensivo. Paciente, o time comando por Roger Machado soube esperar a primeira vez que teve espaço para abrir o placar. Em um contra-ataque que começou num escanteio batido pela Ponte Preta, quatro jogadores do Atlético participaram da jogada que terminou com o gol de Robinho, com sete toques da bola apenas.
Novo apagão atleticano e virada em dois minutos

Contra o Fluminense o Atlético tinha a posse de bola, jogava no campo de ataque, mas em três minutos sofreu dois gols da equipe carioca e foi derrotado no Independência, pela segunda rodada do Brasileirão. Neste domingo a história se repetiu. Após virar o primeiro tempo vencendo, por 1 a 0, em dois minutos o Atlético tomou dois gols de Lucca. Novo apagão do time atleticano dentro de casa.
Atlético troca paciência por chuveirinho

Se no primeiro tempo o time da casa mostrou muita tranquilidade para buscar o resultado, na etapa final o Atlético se desorganizou completamente após os dois gols da Ponte Preta. A troca de passes em busca de espaço deu lugar ao chuveirinho. Já sem Cazares, que deu lugar a Rafael Moura, o Galo mudou completamente a forma de jogar.
Mudanças de Roger abrem buraco no meio de campo

Perdendo pela segunda vez como mandante neste Brasileirão, o técnico Roger Machado mudou o Atlético para tentar reagir contra a Ponte Preta. As alternativas encontradas pelo treinador foram as entradas de Maicosuel e Rafael Moura nos lugares de Adílson e Cazares, respectivamente. Algo que deixou o Atlético bastante exposto aos contra-ataques da Ponte Preta, que não teve competência para aproveitar as chances.
Fora do jogo, Valdívia este no Horto

Contratado pelo Atlético-MG durante a semana, o meia Valdívia esteve no Independência para acompanhar o triunfo de usa nova equipe sobre a Ponte Preta. O jogador tinha a expetativa de estrear neste final de semana, mas não teve o nome publicado no Boletim Informativo Diário (BID) da CBF, por isso sequer foi relacionado para o jogo. Valvídia acompanhou toda a partida ao lado do capitão Leonardo Silva, que está machucado e também não jogou.
Reis das 11h, Atlético e Ponte ganham folga

Em 2016, somente o Figueirense jogou tantas vezes como Atlético e Ponte Preta na matinê do Campeonato Brasileiro. Cada equipe entrou em campo seis vezes. Neste domingo, Galo e Macaca jogaram pela primeira vez no horário de 11h na edição 2017 da competição. Algo que não vai se repetir nas próximas partidas. Pelo menos até a 10ª

Compartilhe:
Imagem Nuvem de Notificações

Últimas do seu time

  • Tabela

  • BRASILEIRÃO 2018

  • Classificação
    Pontos
  • 1 São
    50
  • 2 Int
    49
  • 3 Pal
    47
  • 4 Fla
    45
  • 5 Grê
    44
  • Veja tabela completa