• "Chocolate" palmeirense determina o réu e Denis sai como culpado

    - Por Túlio Nassif / há 2 meses

    O que foi aquilo, hein, são-paulino?

    Que jogo horroroso fez o Tricolor... Uma lástima!

    A bem da verdade, o primeiro tempo foi bastante truncado, o que deu equilíbrio para a partida.

    Cueva fez muita falta ao meio-campo, o que prejudicou a saída de bola e investidas do time do Morumbi com um toque mais refinado.

    Enquanto que, do outro lado, os donos da casa tinham o que o rival mais precisava. Peças de reposição à altura. O bom e consistente elenco alviverde não iria perder a oportunidade de garantir a vitória e, os gols, eram apenas questão de tempo.

    No entanto, o golaço de Dudu após a falha coletiva do São Paulo, deu outro destino para os números finais do Choque-Rei.

    Talvez, se a partida fosse para o intervalo empatada, os jogadores são-paulinos voltassem para o segundo tempo com outra postura e tática, tendo em vista que segurar um 0 a 0 sobre um adversário superior, obviamente seria a melhor opção devido as circunstancias de dependência de seu “camisa 10”.

    Como não foi isso o que aconteceu, a busca pelo empate e desorganização em campo resultaram no “chocolate” palmeirense.

    Há quem defenda o goleiro Denis, nos três gols. Porque o segundo a torcida, ele foi o maior culpado.

    O próprio técnico Rogério Ceni, após o apito do árbitro, na coletiva, o defendeu.

    Mas todos nós sabemos que houve, no mínimo, duas falhas determinantes.

    Isso acontece, não é mesmo? Faz parte! Porém, no caso de Denis, a instabilidade o prejudica demais. Ele é um jogador exemplar. Ele é dedicado. Ele não é ruim... Mas não adianta ter boas qualidades e não ter o fundamental... O amor e confiança da torcida.

    E depois do clássico, não dá para afirmar se ele voltará a ser titular, mesmo se Sidão prolongar sua recuperação.

    Ademais, sorte ao Denis, pois sabemos que uma nova chance será bem mais difícil de acontecer.

    Foto: UOL

    Compartilhe:
    Imagem Nuvem de Notificações 9999
  • Polêmico, Barça 6 x 1 PSG foi justo? Vote e deixe sua opinião!

    - Por Túlio Nassif / há 2 meses

    A partida entre Barcelona e PSG, pelas oitavas de final da Liga dos Campeões, foi um verdadeiro espetáculo. Pois, quem apostaria que o time espanhol arrancaria a classificação precisando de um placar super elástico? O jogo de ida, em Paris, terminou com a derrota dos catalães por 4 a 0, ou seja, a tarefa de reverter o resultado seria praticamente impossível.

    Seria...

    Porque o Camp Nou foi palco de mais uma espetacular atuação do Barça, com a goleada de 6 a 1 sobre os franceses.

    Entretanto...

    O show comandado por Neymar, que por sua vez jogou absurdamente bem, teve dois lances muito polêmicos que irritaram os torcedores adversários e que estão causando discussões em comentários pelas ruas e nas redes sociais.

    Ainda no primeiro tempo, o árbitro deixou de marcar um pênalti cometido por Masquerano, quando ele interferiu na trajetória da bola com o braço. E pior, no final da segunda etapa quando o Barça mais cresceu no duelo, anotou uma penalidade inexistente em cima de Suarez que fora convertida por Neymar.

    Sabendo disso, deixe sua opinião sobre esse “jogão de bola” da última quarta-feira (8), da Liga dos Campeões. Será que foi realmente justo?

     

    [playbuzz-item url="//www.playbuzz.com/tulioi10/o-barcelona-mereceu-a-vit-ria-sobre-o-psg"]

    Foto: UOL

    Compartilhe:
    Imagem Nuvem de Notificações 9999
  • Mais um pouco estraga! Borja está próximo do prazo de validade

    - Por Túlio Nassif / há 2 meses

    O Palmeiras foi a Argentina nesta quarta-feira, 8, enfrentar o Atlético Tucumán, pela rodada de estreia da Copa Libertadores da América. A partida terminou empatada em 1 a 1, porém, o ponto garantido pela equipe brasileira teve um sabor pouco amargo.

    Podemos dizer que não só a expulsão de Vitor Hugo atrapalhou uma possível vitória alviverde, mas sim e, principalmente, as chances claras que foram perdidas pelo ataque.

    Após o susto do gol sofrido, Eduardo Baptista conseguiu enfim mostrar o seu poder de comando. Algo raro! Não digo que ele foi 100% perfeito, porque poderia ter organizado melhor seu time. Talvez por estar atuando fora de casa e sem o apoio da torcida tenha inibido suas vontades, mas o duelo era entre o sexto colado do falido Campeonato Argentino contra o atual campeão brasileiro.

    Recompor o time defensivamente seria preciso, até por uma questão óbvia. Mas convenhamos, por que logo de cara? Poderia deixar correr alguns minutos para ver a postura dos que ali ficaram. Enfim, foi a decisão tomada. Entretanto, era para o time avançar e não permanecer na tática inicial. Cautela em exagero, às vezes atrapalha.

    Mesmo com um jogador a menos e atrás no placar, a determinação de Baptista surtiu efeito. Naquelas, do jeito dele. Assim, Keno deixou tudo igual.

    Todavia, não coloco o desmerecido empate na conta do treinador palmeirense. Apesar de eu crer que ele poderia ter sido ousado, aponto Borja como o culpado do Palmeiras ter evitado vencer. Ou você ainda duvida?

    Como disse, o ataque pecou em excesso. Borja desperdiçou três oportunidades que são imperdoáveis. Isso sem mencionar a péssima noite e falta de sorte. E ele, que veio a peso de ouro, precisa mais do que justificar os valores investidos. Precisa reverter até os lances impossíveis.

    Cedo demais para cobrar? As cifras investidas na sensação colombiana, impacientes, clamam por gols.

    E balançar as redes no Paulistão deve ser tratado como gorjeta por um futebol tão caro.

    Por isso, torcedor, olho no Borja!

    Seria um desastre uma provável queda de rendimento justo agora, não é mesmo?

    Vai saber se o Atlético Nacional não previu isso...

    Pois, eu acho estranho a pressa com que os colombianos quiseram vendê-lo. E você, não?

    Foto: Reprodução

    Compartilhe:
    Imagem Nuvem de Notificações 9999
  • Qual clube brasileiro se dará melhor na Libertadores?

    - Por Túlio Nassif / há 2 meses

    Agora ficou sério!

    E podemos ter certeza de quem vem coisa boa por aí.

    A Copa Libertadores da América 2017 começou pra valer e aquela sensação prazerosa, que só a torcida cujo seu time está presente no torneio sente, pode ser notada neste clima que paira sobre o ar.

    Tudo fica diferente, não é mesmo?

    Só mesmo quem tem a honra de disputar uma Libertadores e torcer junto com o clube do coração, sabe do que estou falando.

    Todavia, há de ressaltar que a competição este ano ficou um pouco mais inchada e cansativa.

    Após a sua fase “pré”, com quatro rodadas, os sobreviventes deste magnifico espetáculo entraram de vez na etapa de classificação. Período este, que concentra somente os melhores, mais qualificados e os mais efetivos em campo.

    Dois brasileiros já estrearam, a Chapecoense com um ótimo resultado construído fora de casa com a vitória sobre o Zulia Fútbol Club, da Venezuela e o Atlético-PR, que amargou um tenebroso empate em seus domínios, contra a Universidad Católica, do Chile.

    Altos e baixos totalmente imprevisíveis que certamente as equipes do Brasil terão que enfrentar, tendo em vista as inúmeras e tradicionais dificuldades impostas pela Libertadores.

    Sabendo que os clubes brasileiros terão alguns duros obstáculos pela frente, quem você acha que se dará melhor e que tem reais chances de título?

     

    [playbuzz-item url="//www.playbuzz.com/tulioi10/qual-clube-brasileiro-se-dar-melhor-na-libertadores"]

    Foto: Reprodução

    Compartilhe:
    Imagem Nuvem de Notificações 9999
  • Por que o "Apito Amigo" irrita tanto o corintiano?

    - Por Túlio Nassif / há 2 meses

    Quando falamos em “Apito Amigo”, não há como não associar com a imagem do Corinthians. E antes que você corintiano possa se irritar e chatear com isso, entenda, é apenas uma provocação sadia. Isso porque o Alvinegro é o time do povo. A maioria escolheu as cores preto e branco para vibrar e, é por isso que sempre fica mais gostoso torcer contra e atiçar os ânimos quando um árbitro erra a favor e prejudica o adversário da vez.

    Se você discorda, repare no jogo do São Paulo contra o Santo André, no último domingo (6), pela sétima rodada do Campeonato Paulista. O juiz Luiz Flávio de Oliveira não viu o impedimento absurdo de Cícero no lance do primeiro gol e pior, deixou de anular o escandaloso arremate com a mão de Luiz Araújo quando o Ramalhão mais pressionava em busca do empate.

    A goleada são-paulina de 4 a 1 poderia ter sido menor e não muito impossível, terminar este duelo com um justo empate. Pois, acredito que naquele momento o balançar das redes do goleiro Sidão tardava em acontecer.

    Pode ser também que o São Paulo se reinventasse, tirasse da “cartola” outros gols e a contestada defesa trabalhasse normalmente, deixando o Morumbi com mais uma vitória sem qualquer erro. A gente não sabe! Mas a questão aqui é outra, ou seja, por que o “Apito Tricolor” não repercutiu tanto como o de costume? Em tempo, foram dois!

    Alguém aí já parou pra pensar nisso?

    Não há distinção entre os erros, apenas entre as equipes.

    Então, por que o “Apito Amigo” irrita tanto o corintiano?

    Ninguém persegue ninguém, falhas acontecem nas partidas de todo mundo e na mesma proporção, essa é a verdade. Por isso, se engana quem pense que o Corinthians é o mais ajudado.

    E a reposta mais óbvia para o foco deste assunto, é a fama.

    O Corinthians ganhou a reputação de time ajudado e isso não vai mudar, assim como cada um tem seu estigma.

    Portanto, podem haver um erro, dois, três... quantos existirem, se não for em prol Corinthians, a abordagem e o enfoque são abordados de um ângulo diferente. Cabe então ao torcedor saber levar na esportiva e aceitar que uma possível “ajuda”, com certeza se tornará uma cruel brincadeira dos rivais.

    Então, faça como Tite quando treinador. Ele cansou de amenizar as situações, porém, criticava com inteligência quando o ocorrido se dava contra os seus comandados.

    Foto: Túlio Nassif/Portal TT

    Compartilhe:
    Imagem Nuvem de Notificações 9999
Exibindo 5 de 300 Notícias

SOBRE O COLUNISTA

Apaixonado por programas esportivos de rádio e televisão, desde a infância é frequentador desses meios de comunicação. Formou-se em jornalismo e logo em seguida pós-graduou em Comunicação Jornalística, pois visava trabalhar com esportes. Mais tarde, concluiu o MBA de Master em Gerência e Administração para entender o mundo dos negócios.