publicidade
E Felipão-7 a 1 está ganhando hoje nota 9,71 no Palmeiras!

E Felipão-7 a 1 está ganhando hoje nota 9,71 no Palmeiras!

Sim, por que não?

Perdeu o contestado Paulistão, mas na Libertadores o Verdão está na semifinal.

O Colo-Colo já era.

Agora virá o Cruzeiro.

Ou o Boca.

E depois o Grêmio, o River Plate ou Independiente.

Tudo ganhável.

E Felipão-7 a 1 está ganhando hoje nota 9,71 no Palmeiras!

Encorpou o banco, tomou conta do time, cobras criadas do elenco milionário viraram doces abelhas operárias e o elenco o obedece como se fossem todos juniores deslumbrados vendo de perto o velho e polêmico treinador.

A Copa do Brasil está um pouco complicada depois do 0 a 1 do Cruzeiro no Allianz Parque.

Mas com os ventos verdes soprando como estão...

Aí, uma final vitoriosa contra Flamengo ou Corinthians seria a glória para o gauchão de Passo Fundo.

Contra o fraco Corinthians então...

Já no Brasileirão a chance é muito boa também.

Elenco grandão, forte, e o porco pode já, já encostar e passar o Saci e o Vovô.

Mesmo com eles não tendo nenhuma complicada competição simultânea.

Haja o que houver, mas Alexandre Mattos e Maurício Galiotte acertaram na mosca repatriando o então auto-desempregado Felipão.

Como bem definiu o jornalista verde Mauro Beting, em frase novinha jamais lida ou citada por alguém, “na hora certa, Felipão e o Palmeiras juntaram a fome e a vontade de comer pizza, gnocchi, bife à parmegiana, penne, fusilli, uma perna de cabrito, asa de gavião, ensopado de robalo, filé de raposa ou coraçãozinho de galo com tudo regado por um belo Brunello di Montalcino”.

Ei, mas até aí é “só” tri, cadê o tetra?

O tetra está esperando lá em Abu Dhabi.

Se a expulsão injusta do gremista Rivarola em 1995, contra o Ajax, e a falha, algo raríssimo, de São Marcos em 1999, diante do Manchester United, deixaram Felipão com frustrantes vices, agora em 2018 ele poderá voltar a sentir em uns 7,1% a felicidade de 2002 na Ásia.

Aí, farei de novo o hino do Palmeiras em árabe, e não mais em japonês, e em minha nova música de 2018, com o top Julio César Moschen, o porco não vai mais comer sushi, mas esfiha, quibe, tabule e “malfuf”, que vocês de São Paulo chamam de “charuto” e nós de Minas Gerais de “mafufo”.

Coma tudo, porco!

Inclusive, o tal “legítimo Mundial” que é tão aguardado pelos esmeraldinos quanto os judeus ortodoxos esperam a finalmente “chegada do Messias”.

E que todos tenham um ano doce, verde e repleto de felicidades.

Shaná Tová!

Foto: Cesar Greco/Agência Palmeiras

Compartilhe:
Imagem Nuvem de Notificações

SOBRE O COLUNISTA

Milton Neves Filho, nasceu em Muzambinho-MG, no dia 6 de agosto de 1951.

É publicitário e jornalista profissional diplomado. Iniciou a carreira em 1968, aos 17 anos, como locutor na Rádio Continental em sua cidade natal.

Trabalhou na Rádio Colombo, em Curitiba-PR, em 1971 e na Rádio Jovem Pan AM de São Paulo, de 1972 a 2005. Atualmente, Milton Neves apresenta os programas "Terceiro Tempo?, "Domingo Esportivo? e "Concentraçã... Saiba Mais

Arquivos