publicidade

Parabéns ao Grêmio, um bom time que tanto se poupou, que se ferrou.

Grêmio, o “Imortal” que mais morre no mundo, bateu seu recorde na quarta-feira ao morrer... duas vezes!

Eliminado da Copa do Brasil e acabou de matar o pior Campeonato Brasileiro da história.

Parecia até que virou irmão de criação do surpreendente campeão Corinthians.

E poderia agora, com as folgas que adora, lançar a “Caderneta de Poupança Arena Azul”.

Ninguém poupou “tão bem” quanto o tradicional segundo time do Rio Grande do Sul.

Conseguiu perder tudo em 2017, mesmo tendo formado um grupo robusto, aguerrido, centrado, determinado, mas burramente “poupado” e mal escalado.

Não foi por falta de aviso!

E vai perder a Libertadores também para coroar o seu genial ano “Poupástico”.

Até passa pelo Botafogo, mas cai em seguida para um time gringo qualquer.

Bem feito!

Como mal feito foi este corintiano Campeonato Brasileiro de 2017, espremido e espetado por duas copas encorpadas por “exagerados anabolizantes”.

Vai ficar para a história como a competição oficial de futebol do Brasil com o maior número de jogos amistosos, desde 1971.

Não foi também por falta de aviso!

Berrei antes e hoje todo mundo descobriu pelo menos a espoleta.

Nosso futebol não comporta três competições simultâneas e anuais.

Copa do Brasil, como sua mãe Taça Brasil, e Libertadores sempre foram coadjuvantes perante o chamado Brasileirão, mas jamais protagonistas anuais do filme vencedor do Oscar.

Sim, são importantes coadjuvantes e com o fortíssimo ingrediente do indispensável, maravilhoso, indiscutível e emocionante mata-mata, o oxigênio da bola!

Mineirão e Maracanã nos ensinaram isso mais uma vez neste meio de semana.

Que Rede Globo e CBF, donas da bola, acordem e mudem tudo.

Já sei que importantes reuniões das duas entidades cariocas ocorreram e vão se intensificar “como nunca na história deste país”.

Aceito dar consultoria, sem remuneração.

Encurtem quase tudo, proíbam clássicos top fora das 16h ou 17h e sempre aos domingos, instituam dois mata-matas para os oito melhores e para os oito piores repescados do Campeonato Brasileiro e apliquem a “cláusula-multa” da cota-participação para todo time que “gremisticamente” abusar das imbecis “poupações” de jogadores não contundidos.

Estrago feito, e aqui tanto anunciado há “séculos”, vamos juntos curtir meses de modorrentos amistosos travestidos pela “emoção” de se saber se São Paulo e Vasco cairão ou não e quais serão os cinco primeiros “alguéns” atrás do Corinthians.

Juízo, cartolada, precisamos de emoção, disputas ferrenhas, “polêmicas”, pênaltis, audiências e retorno comercial.

Para toda a “cadeia alimentar” da bola, do pipoqueiro até o último pênalti do campeão, no mata-mata, claro.

Afinal, como disse brilhantemente o professor Pedro Trengrouse, da FGV, “é preciso olhar hoje para o futebol como atividade econômica, não mais apenas como lúdica”.

Perfeito, mesmo que o futebol não seja comunista, que teoricamente nivelaria tantos remediados, poucos ricos, alguns milionários, um ou outro bilionário e muitíssimos pobres de espírito e trilhardários de inveja.

Não é, Neymar?

Compartilhe:
Imagem Nuvem de Notificações

SOBRE O COLUNISTA

Milton Neves Filho, nasceu em Muzambinho-MG, no dia 6 de agosto de 1951.

É publicitário e jornalista profissional diplomado. Iniciou a carreira em 1968, aos 17 anos, como locutor na Rádio Continental em sua cidade natal.

Trabalhou na Rádio Colombo, em Curitiba-PR, em 1971 e na Rádio Jovem Pan AM de São Paulo, de 1972 a 2005. Atualmente, Milton Neves apresenta os programas "Terceiro Tempo?, "Domingo Esportivo? e "Concentraçã... Saiba Mais

Arquivos