publicidade
De todas as comemorações, prefiro mesmo lembrar de outro aniversário corintiano que foi a quebra do tabu

De todas as comemorações, prefiro mesmo lembrar de outro aniversário corintiano que foi a quebra do tabu

E o Timão, amanhã, terá novo presidente.

Espero que seu mandato seja comemorado e não conturbado.

E que venda “em horas” os naming rights da Arena Itaquera.

Aquilo, até agora, é um belo Cavalo de Tróia montado por Andrés Sanchez, Lula, Odebrecht, BNDES e políticos municipais.

Uma vergonha!

Desde 2013/2014 que é um filho sem pai, patrocínio ou batismo corporativo.

Mesmo tendo, à época, a certeza de sediar simplesmente a abertura de uma Copa do Mundo, troféu maior para algo se negociar, batizar, vender, patrocinar e etc...

E eles, os cartolas corintianos, não venderam nada e ganharam o mais belo diploma de incompetência da história da bola.

E eu, em 2013, indo para Marrocos ver o Galo no Mundial, parei por dias em Istambul, Turquia, com meus filhos.

E bem do lado, ou até debaixo das janelas de nosso hotel, o Ritz-Carlton, havia um buracão cercado por tapumes onde se lia “Vodafone” para todo lado.

Pois aquele buraco era a manjedoura da nova casa do Besiktas, time grande da Turquia, mas pequenininho perto do Corinthians.

E não é que antes de batida a primeira estaca ou até antes do primeiro tijolo removido do demolido estádio antigo, o novo “Besiktas Stadium” já tinha o seu caro batismo promocional vendido e garantido por 15 anos?

Hoje, sempre lotado, ele é um ótimo Allianz Parque, mas bem melhorado.

E se em 3 de fevereiro de 2018 o Timão agora comemora a chegada de um novo presidente, é bem verdade também que em 2 de fevereiro, como sexta-feira, “comemorou-se” pelos lados alvinegros do Parque São Jorge e de Itaquera o Tolimaday!

Foi em 2 de fevereiro de 2011, quando o Corinthians conseguiu a proeza de ser eliminado pelo “gigante” Tolima, da Colômbia, na pré-Libertadores.

Mas prefiro mesmo lembrar de outro aniversário corintiano que foi a quebra do tabu.

Que comemoração!

Em 6 de março de 1968, portanto o dia está chegando, naquela quarta-feira à noite no Pacaembu, “eles” ganharam “de nós” depois de “vários séculos”.

Sim, foi na bamba, com gols do saudoso Paulo Borges de pé esquerdo, o único de sua carreira, em raríssimo chute da intermediária, e outro de Flávio Minuano, de pé direito.

Antes, Edu, Toninho e Pelé perderam “trocentos” gols diante do nervoso goleiro “subversivo” Diogo, hoje criador de ovelhas no interior do Rio Grande do Sul.

Mas deu Corinthians mesmo para o alívio da Fiel.

Foram 10 anos sem ganhar do Santos nos estão disputadíssimos e importantíssimos campeonatos paulistas.

Por uma década, tivemos vários “quases” do Corinthians para quebrar o tabu, mas Laércio pegou pênalti de Flávio em 1966, pênalti sofrido por Garrincha, e com Cláudio Mauriz também defendendo penal em 1965 cometido pelo central Modesto que Nair não soube converter, no finalzinho, num sábado à noite.

Isso sem lembrarmos dos milhões de gols de Pelé em Cabeção, Aldo, Heitor e Marcial, dentre outros.

E saibam que, tenho certeza, a quebra do tabu de 6 de março de 1968 foi o “título” que mais emocionou a imensa torcida corintiana.

Aqueles lotéricos 2 a 0 ganharam, na vida do Timão, do gol do Basílio em 1977, da invasão do Maracanã de 1976, do título paulista do IV Centenário de 1954, do gol de Guerrero no Japão em 2012 e da “lamentável” defesa de Cássio, cara a cara com Diego Souza naquele Corinthians 1 x 0 Vasco, pela Libertadores.

Que pena!

Não me conformo até hoje!

Mesmo sendo tão grato ao Corinthians.

Afinal, sem ele, neste meu meio século de microfone, teria muito menos a comemorar em minha vida tão abençoada por Deus.

É nóis, vai, Curintchá!

Compartilhe:
Imagem Nuvem de Notificações

SOBRE O COLUNISTA

Milton Neves Filho, nasceu em Muzambinho-MG, no dia 6 de agosto de 1951.

É publicitário e jornalista profissional diplomado. Iniciou a carreira em 1968, aos 17 anos, como locutor na Rádio Continental em sua cidade natal.

Trabalhou na Rádio Colombo, em Curitiba-PR, em 1971 e na Rádio Jovem Pan AM de São Paulo, de 1972 a 2005. Atualmente, Milton Neves apresenta os programas "Terceiro Tempo?, "Domingo Esportivo? e "Concentraçã... Saiba Mais

Arquivos