publicidade
O piloto e a equipe inglesa viveram momentos felizes, de cumplicidade. Foto: Williams F1

O piloto e a equipe inglesa viveram momentos felizes, de cumplicidade. Foto: Williams F1

Outro dia, pela tevê, assisti uma matéria sobre simetria.

Disseram que 90% das pessoas não são simétricas nos membros inferiores.

Tem gente que sofre de terríveis dores nas costas ou nos quadris — por anos a fio —, simplesmente por nem desconfiar que uma perna é meio centímetro maior que a outra...

E, também, dificilmente somos simétricos no rosto.

Os braços e as mãos também tem lá suas diferenças.

Há alguns casamentos que parecem perfeitos.

Conheço casais exemplares, pelo menos aparentam ser. 

Ainda que cada um tenha suas preferências, ele pelo queijo, ela pela goiabada e, nunca, os dois juntos no mesmo prato de sobremesa...

Nada de "Romeu e Julieta".

No caso da F1, lembro de alguns casamentos beirando a perfeição, de grande sintonia, perfeita simetria, casos de Schumacher e Ferrari, Senna e Honda e Jim Clark e Lotus/Colin Chapman, para citar alguns mais emblemáticos.

E, apesar da união feliz entre Felipe Massa e a Ferrari, um dia a história chegou ao fim.

E, então, o brasileiro encontrou na Williams uma nova chance para ser feliz.

Apesar de não ter voltado a vencer com o carro do time de Frank, sentiu-se no lugar certo.

Tão certo que no dia em que Felipe decidiu fazer as malas e sair de casa, a Williams, em uma "sinuca de bico",o chamou de volta e ele aceitou um novo casamento...

Esse foi o erro...

A dois, é preciso que ambos caminhem juntos. 

A Williams só o chamou por falta de opção, tipo aquela moça que perde o amor de sua vida e parte para um plano B...

E, agora, parece que a Williams tem outras opções.

Nem as julgo melhores que Massa, no caso Robert Kubica e Paul di Resta.

O time inglês irá fazer um "vestibulinho" com os dois, com um carro velho, de 2014.

Kubica, que ficou com seu braço em frangalhos após se arriscar em um rali, é quase um paratleta.

Longe de que isso o desabone. É uma realidade.

Di Resta nunca foi estrela de primeira grandeza.

Em três anos na Force India foi superado em dois deles, por Sutil e Hulkenberg.

Nunca subiu ao pódio. Seus melhores resultados foram dois quartos lugares.

Eu, no lugar de Massa, esvaziaria o armário em Grove.

Pegaria a escova de dentes e diria adeus.

Ninguém merece ser a segunda opção de ninguém.

CLIQUE AQUI E INSCREVA-SE NO CANAL BELLA MACCHINA DO YOUTUBE. ENTREVISTAS COM PILOTOS E O PROGRAMA "NOTAS DO CARSUGHI", COM O MESTRE AO LADO DE MARCOS JÚNIOR MICHELETTI FALANDO SOBRE F1, MOTOGP, STOCK CAR WEC, F-E, INDY E MUITO MAIS

CLIQUE NO LOGO ABAIXO PARA ACESSAR A HOME DE AUTOMOBILISMO DO PORTAL TERCEIRO TEMPO

COLUNAS: CLIQUE AQUI E ACESSE OS TEXTOS DE MARCOS JÚNIOR MICHELETTI NO PORTAL TERCEIRO TEMPO

Compartilhe:
Imagem Nuvem de Notificações

SOBRE O COLUNISTA

No 2º ano do primário, sua professora, a dona Mitsy, escolheu sua redação para que ele a lesse para toda a sala. Depois, as professoras de todas as outras séries do primário o convocaram para a mesma tarefa.

Após essa "maratona?, dona Mitsy lhe disse uma única frase, que ficou ressoando em sua cabeça por todos os anos que seguiram:

"Marcos, nunca deixe de escrever!?

Durante o 2º grau, um... Saiba Mais

Arquivos