publicidade
Reinaldo Rueda, que na verdade é um `Zé Ruela`, não vai fazer a menor falta

Reinaldo Rueda, que na verdade é um `Zé Ruela`, não vai fazer a menor falta

Reinaldo Rueda foi um ‘Zé Ruela’ que passou pela vida do Flamengo. Um técnico limitado, retranqueiro, sem ambição. Não poderia dar certo. 
 
O desfecho anunciado ontem não foi surpresa. Toda articulação que acompanhamos pela mídia chilena não poderia ser fruto da imaginação dos jornalistas. Talvez só a diretoria do Flamengo não tenha levado a sério.
 
Agora vem aí Paulo César Carpegiani. Aos 68 anos, teve última passagem pelo Flamengo em 2000, como treinador. Na ocasião, seu principal feito foi ter lançado Adriano no time principal. O treinador tem forte identificação com o clube. Como jogador, participou da campanha do título Brasileiro de 1980, o primeiro do clube. No ano seguinte, foi o técnico da conquista do título Mundial de 1981, principal triunfo da história do Rubro-Negro.
 
Recentemente, o técnico ficou afastado do futebol por cerca de três temporadas, após pedir demissão da Ponte Preta em 2013. Voltou para comandar o Coritiba, de onde foi demitido no início da temporada passada. Ainda em 2017, treinou o Bahia no Brasileiro, livrando o Tricolor do rebaixamento e chegando a brigar por vaga na Libertadores.
 
É um bom técnico? Sim, é um técnico que não complica. Mas houve rumores de negociações do Flamengo com outro veterano, o ex-técnico da seleção Luiz Felipe Scolari.
 
Eu creio que teria sido uma contratação mais ousada e impactante.
 
Mas Carpegiani certamente é maia barato. Na cabeça desses cartolas do Flamengo, isso talvez seja mais importante.
 
LEIA TAMBÉM NO BLOG DO MARCONDES
 
As manchetes dos jornais desta 3a feira
 
Todos agora começam a descobrir a importância de Marquezine para a conquista do Hexa
 
Philippe Coutinho vale mais do que 60 `Diegos Souzas`,  aponta o mercado da bola

 

Compartilhe:
Imagem Nuvem de Notificações

SOBRE O COLUNISTA

Marcondes Brito, como jornalista esportivo, fez várias coberturas de Copas do Mundo e Jogos Olímpicos e atuou como comentarista da BandNewsTV e Bradesco-FM. Foi editor do Correio Braziliense e Jornal de Brasília. Como executivo, foi diretor dos Diários Associados-PB, Diário de Pernambuco e TV Bandeirantes. Em 2008, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo.

Arquivos